Reino Unido / sangre contaminada: Encuesta condena la “duda” de los gobiernos

Reino Unido/Sangue contaminado: Inquérito denuncia as “hesitações” dos governos

Londres, 24 Fev (Lusa) – Uma investigação independente denunciou segunda-feira as “hesitações” dos sucessivos governos britânicos e dos responsáveis nacionais da Saúde, incapazes de prevenir um escândalo de sangue contaminado que causou a morte a 2.000 pessoas entre os anos 70 e 90.

Londres, 24 Fev (Lusa) – Uma investigação independente denunciou segunda-feira as “hesitações” dos sucessivos governos britânicos e dos responsáveis nacionais da Saúde, incapazes de prevenir um escândalo de sangue contaminado que causou a morte a 2.000 pessoas entre os anos 70 e 90.

Milhares de pacientes hemofílicos contraíram a hepatite C ou o HIV, nos anos 70, 80 e 90, depois de terem recebido transfusões de sangue no Serviço Nacional de Saúde (NHS).

Devido a uma insuficiência de produtos sanguíneos na Grã-Bretanha, o Serviço Nacional de Saúde importava-os dos Estados Unidos onde eram retirados a dadores remunerados em troca do seu sangue e com forte risco de infecção.

A comissão de inquérito, dirigida por Lorde Peter Archer, considerou que os governos britânicos deviam ter agido mais rapidamente para evitar depender das importações de sangue.

“As hesitações para atingir a auto-suficiência nacional e evitar o uso de produtos de alto risco procedentes do estrangeiro tiveram consequências desastrosas”, estima a comissão no seu relatório.

“Se a auto-suficiência tivesse sido obtida mais cedo, a amplitude da catástrofe teria sido reduzida de forma significativa”, acrescentou.

Nos anos 70 e no início dos anos 80, 4.670 pacientes hemofílicos contraíram a hepatite C, e entre o início dos anos 80 e o início dos anos 90, cerca de 1.200 foram infectados pelo HIV, segundo o relatório.

O Ministério da Saúde qualificara de “inútil” o relatório e recusara que algum dos seus responsáveis testemunhasse em público perante a comissão.

Depois da publicação do relatório, o Ministério manifestou a sua “profunda simpatia” pelas vítimas. Lembrou que “desde 1985 estão em vigor medidas para proteger os produtos sanguíneos contra o HIV e a hepatite C”.

TM/AL.

Lusa/Fim

http://aeiou.expresso.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=ex.stories/499444

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *